2
2

TODOS PECAMOS

“Portanto, assim como por um só homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado, a morte, assim também a morte passou a todos os homens, porque todos pecaram.” (Romanos 5:12).

Bom dia!

Quando era mais novo, na adolescência e na juventude, respondia as investidas evangelísticas de minha zelosa mãe, dizendo: “Mãe, não fui em quem pecou, não tenho nada com isso. Não quero saber nem de Deus, nem do diabo. O problema não é meu.” Minha resistência ao seu ato de amor era alegar neutralidade. Será que a neutralidade é possível? Vivendo há tantos anos distantes da primeira família, será possível alegar inocência?

Diferentemente do que possam pensar os contemporâneos aferrados à sua mentalidade secularizada, existiu um Adão real. O primeiro homem criado por Deus que vivia no Éden é real. Não existe espaço no relato bíblico da criação que admita uma evolução do homem, ao longo de milhares de anos, até o surgimento do chamado homo sapiens. A Bíblia relata que Deus formou o homem do pó da terra, soprou em suas narinas o fôlego de vida e o homem passou a ser alma vivente (Gênesis 2:7).

Durante muito tempo na Polícia, ficava indignado quando um Policial Militar praticava algum desvio e toda cobertura da mídia àquela falta individual era tratada como uma falta da Instituição. Na verdade, eu não compreendia, nem aceitava os princípios da representatividade e da unidade que ampliavam aquela falta que alcançava toda a Polícia.

Em um sentido oposto, o elevado grau de individualismo do nosso tempo, acredita que aquilo que se pratica de modo individual e privado não afeta, ou não deveria afetar, outras pessoas. Para explicar isso, a Teologia desenvolveu a doutrina do Federalismo, a qual enfatiza o caráter representativo de Adão: “No Jardim, Adão agia como um substituto por nós, como o cabeça federal da raça humana, assim como os oficiais numa república federativa representam o povo […] Adão, cujo nome significa ‘humanidade’, estava agindo como o cabeça federal da raça humana, representando a si mesmo e a todas as pessoas nascidas subsequentemente. Portanto, quando Adão caiu, todos que ele representava caíram com ele.” (SPROUL, 2017).[1]

Paulo ensina que, assim como o pecado entrou no mundo por um só homem, Adão, e pelo pecado, a morte, a morte passou a todos os homens (Romanos 5:12). Portanto, em Adão, todos pecamos. Embora os teólogos pensem nesse assunto de uma maneira mais sofisticada, me satisfaço com uma reflexão bem mais simples.

Quando pecou e caiu do estado em que foi criado, a imagem de Deus no homem foi danificada. No dizer de Agostinho, o homem passou à condição “não posso não pecar”, ou seja, incapaz de resistir ao pecado. Conforme Paulo escreveu aos Romanos, o homem foi destituído da glória de Deus. Dessa forma, o homem pecador, destituído da glória de Deus, ao gerar filhos, os gerou à sua semelhança, conforme sua imagem: “Viveu Adão cento e trinta anos, e gerou um filho à sua semelhança, conforme a sua imagem, e lhe chamou Sete.” (Gênesis 5:3).

Por essa razão, reunidos em Westminster, os teólogos fizeram a seguinte pergunta: “Todo o gênero humano caiu pela primeira transgressão de Adão?” E responderam: “Visto que o pacto foi feito com Adão para a sua posteridade, todo o gênero humano, que dele procede por geração ordinária, pecou nele e caiu com ele na sua primeira transgressão.”

Assim, quando o jovem Cícero alegava neutralidade em relação ao pecado para Dona Magdalena, sua zelosa mãe, ele estava completamente errado em seus fundamentos e conclusões, estava, simplesmente, a afirmar uma mentira, pois, “Se dissermos que não temos pecado nenhum, a nós mesmos nos enganamos, e a verdade não está em nós.” (1 João 1:8). Mais do que praticar pecados, somos pecadores. Nossa natureza precisa ser redimida do cativeiro do pecado e somente Cristo, o Cordeiro de Deus, pode fazer isso.

_________
[1] SPROUL, R. C. Somos todos teólogos: uma introdução à Teologia Sistemática. São José dos Campos: Editora Fiel, 2017. Edição do Kindle.

Cel. Cícero Nunes

Cel. Cícero Nunes

Professor Estudo Bíblico

Cícero Nunes Moreira é casado com Cibele Mattiello da Rocha Moreira. Ordenado ao ministério sacerdotal há vinte e cinco anos, autor e Pastor na Igreja Evangélica Vida com com Cristo e capelão voluntário na Policia Militar de Minas Gerais com atuação, principalmente na Academia de Policia Militar e no Hospital da Policia Militar. Mestre em Ciências da Religião pela PUC Minas e Coronel do Quadro de Oficiais da Reserva. Autor do Livro Religião e Direitos Humanos na Policia Militar e Segue-me! Conectando-se ao Evangelho de Lucas.

Você também pode gostar…