2
2

QUEM TEM OUVIDOS, OUÇA

“Ouvi: Eis que saiu o semeador a semear. E, ao semear, uma parte caiu à beira do caminho, e vieram as aves e a comeram. Outra caiu em solo rochoso, onde a terra era pouca, e logo nasceu, visto não ser profunda a terra. Saindo, porém, o sol, a queimou; e, porque não tinha raiz, secou-se. Outra parte caiu entre os espinhos; e os espinhos cresceram e a sufocaram, e não deu fruto. Outra, enfim, caiu em boa terra e deu fruto, que vingou e cresceu, produzindo a trinta, a sessenta e a cem por um. E acrescentou: Quem tem ouvidos para ouvir, ouça.” (Marcos 4:3-9).

Bom dia!

Esta, uma das mais famosas parábolas de Jesus, começa e termina com uma solene advertência: “Ouvi: Eis que saiu o semeador a semear.” (Marcos 4:3). O verbo, expresso no modo imperativo, chama a atenção para a importância do que será dito. Uma vez que Jesus não tem tempo para amenidades, quando chama a atenção dessa maneira, todos devem parar e ouvir.

Se o começo da parábola é solene, o final indica que nem todos têm ouvidos para ouvir. Dito de modo mais claro, nem todos têm o ouvido interno que escuta, reflete, pondera e aplica a si mesmo aquilo que foi escutado. Na parábola, Jesus é o Semeador que semeia a semente, a Palavra de Deus. Nós somos o terreno do plantio: a beira da estrada, o solo rochoso, a terra cheia de espinhos ou a boa terra que frutifica. A proporção de quatro por um é assustadora. Será que apenas um quarto das pessoas que ouvem a Palavra de Deus a acolhem e frutificam?

Você poderia fazer um exercício íntimo, uma pequena reflexão? De cada quatro pessoas que você conhece, quantas receberam a Palavra de Deus e têm frutificado a cem, a sessenta e a trinta? E você? Que tipo de terra é? Tem frutificado? Jesus ensina que o fruto que você produz glorifica o Pai: “Nisto é glorificado meu Pai, em que deis muito fruto; e assim vos tornareis meus discípulos.” (João 15:8).

Em poucos momentos da história humana nós experimentamos o que estamos a viver hoje em dia: a ditadura do agora. Além disso, o corpo é o centro das atenções e cuidados. Há pouco lugar para a mente e quase nenhum para o espírito. As horas dedicadas ao templo do corpo, as academias, superam em muito as horas destinadas à mente, nem cogito pensar no espírito.

“Suplementos”, vitaminas, superalimentos e tudo o mais que possa melhorar a estética do corpo é prioridade. Ninguém se anima a trocar os prazeres imediatos pelo um gozo eterno prometido. Quase não há temor de Deus e a vida segue em hipervelocidade. Tudo tem a duração de um semestre, tudo fica obsoleto rapidamente, tudo é descartável.

Se você é mais um que tem desprezado a eternidade e investido no agora, é bom saber o que a Escritura diz: “O exercício físico para pouco é proveitoso, mas a piedade para tudo é proveitosa, porque tem a promessa da vida que agora é e da que há de ser.” (1 Timóteo 4:8). A Bíblia não condena o exercício físico e seu proveito para esta vida, porém, recomenda os exercícios espirituais que têm proveito para a eternidade.

Em cada quatro pessoas que você conhece, quantas têm sido terra boa? Quantas têm frutificado? Quantas têm se exercitado na piedade? Após concluir a parábola, Jesus acrescentou a importante advertência: “Quem tem ouvidos para ouvir, ouça.”

Cel. Cícero Nunes

Cel. Cícero Nunes

Professor Estudo Bíblico

Cícero Nunes Moreira é casado com Cibele Mattiello da Rocha Moreira. Ordenado ao ministério sacerdotal há vinte e cinco anos, autor e Pastor na Igreja Evangélica Vida com com Cristo e capelão voluntário na Policia Militar de Minas Gerais com atuação, principalmente na Academia de Policia Militar e no Hospital da Policia Militar. Mestre em Ciências da Religião pela PUC Minas e Coronel do Quadro de Oficiais da Reserva. Autor do Livro Religião e Direitos Humanos na Policia Militar e Segue-me! Conectando-se ao Evangelho de Lucas.

Você também pode gostar…